Pages

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

PORQUE ACONTECE AS TRAGEDIAS...


COMO A DOUTRINA ESPÍRITA ENTENDE “DESENCARNAÇÕES COLETIVAS”, pelo Espírito Emmanuel:
– Sendo Deus a Bondade Infinita, por que permite a morte aflitiva de tantas pessoas enclausuradas e indefesas, como nos casos dos grandes incêndios?
(Pergunta endereçada a Emmanuel por algumas dezenas de pessoas em reunião pública, na noite de 23-2-1972, em Uberaba, Minas.)
RESPOSTA:
Realmente reconhecemos em Deus o Perfeito Amor aliado à Justiça Perfeita. E o Homem, filho de Deus, crescendo em amor, traz consigo a Justiça imanente, convertendo-se, em razão disso, em qualquer situação, no mais severo julgador de si próprio.
Quando retornamos da Terra para o Mundo Espiritual, conscientizados nas responsabilidades próprias, operamos o levantamento dos nossos débitos passados e rogamos os meios precisos a fim de resgatá-los devidamente.
É assim que, muitas vezes, renascemos no Planeta em grupos compromissados para a redenção múltipla.
Invasores ilaqueados pela própria ambição, que esmagávamos coletividades na volúpia do saque, tornamos à Terra com encargos diferentes, mas em regime de encontros marcado para a desencarnação conjunta em acidentes públicos.
Exploradores da comunidade, quando lhe exauríamos as forças em proveito pessoal, pedimos a volta ao corpo denso para facearmos unidos o ápice de epidemias arrasadoras.
Promotores de guerras manejadas para assalto e crueldade pela megalomania do ouro e do poder, em nos fortalecendo para a regeneração, pleiteamos o Plano Físico a fim de sofrermos a morte de partilha, aparentemente imerecida, em acontecimentos de sangue e lágrimas.
Corsários que ateávamos fogo a embarcações e cidade na conquista de presas fáceis, em nos observando no Além com os problemas da culpa, solicitamos o retorno à Terra para a desencarnação coletiva em dolorosos incêndios, inexplicáveis sem a reencarnação.
Criamos a culpa e nós mesmos engenhamos os processos destinados a extinguir-lhe as conseqüências. E a Sabedoria Divina se vale dos nossos esforços e tarefas de resgate e reajuste a fim de induzir-nos a estudos e progressos sempre mais amplos no que diga respeito à nossa própria segurança. É por este motivo que, de todas as calamidades terrestres, o Homem se retira com mais experiência e mais luz no cérebro e no coração, para defender-se e valorizar a vida.
Lamentemos, sem desespero, quantos se fizerem vítimas de desastres que nos confrangem a alma. A dor de todos eles é a nossa dor. Os problemas com que se defrontaram são igualmente nossos. Não nos esqueçamos, porém, de que nunca estamos sem a presença de Misericórdia Divina junto às ocorrências da Divina Justiça, que o sofrimento é invariavelmente reduzido ao mínimo para cada um de nós, que tudo se renova para o bem de todos e que Deus nos concede sempre o melhor.
Mensagem psicografada por Francisco Cândido Xavier, constante do livro Chico Xavier
Pede Licença, de Francisco Cândido Xavier e J. Herculano Pires, publicado pelo GEEM – Grupo Espírita Emmanuel S. C. Editora.

domingo, 20 de janeiro de 2013

O MUNDO SO PRECISA DE AMOR...


                                   AMOR UNIVERSAL
     DAR AMOR
O panorama do mundo, no momento em que se inicia o terceiro milênio não é maravilhoso.
Há milhões de pessoas que estão passando fome. As guerras continuam devastadoras. Os homens disputam pedaços de terra, que chamam de territórios, como se fossem viver para sempre em cima deles. E cada pedacinho fica manchado com o sangue de muitas vítimas.
Há milhões de pessoas sem um tecto.
Milhões que sofrem de aids.
Milhões que sofreram violência, de crianças a adultos e velhos.
Milhões de pessoas que padecem de invalidez, seja por terem nascido com a deficiência ou por terem sido vítimas de enfermidades, acidentes ou combates.
Todos os dias, em todo o mundo, mais alguém está clamando por compreensão e compaixão.
Este é o mundo que recebemos do milênio passado. O mundo que construímos.
Agora compete-nos construir o mundo renovado do terceiro milênio.
Escutemos o som das vozes de todos os que padecem. Escutemos como se fosse música, uma linda música.
Abramos os nossos corações para todos os que estão precisando e aprendamos que as maiores bênçãos vêm sempre do ajudar aos outros.
Acima de pontos de vista econômicos  de crença religiosa, de cor da pele, aprendamos que todos somos filhos do mesmo pai e nos encontramos na mesma escola: a terra.
Por isso o auxílio mútuo é dever de todos. Podemos não resolver os problemas do mundo, mas resolveremos o problema de alguém.
Não podemos resolver o problema da aids, mas podemos colaborar valorosamente nas campanhas de esclarecimento às novas gerações.
Não podemos diminuir as dores de todos os pacientes, mas podemos colaborar conseguindo a medicação precisa para um deles, ao menos.
Com certeza, não podemos devolver mobilidade a membros paralisados. Mas podemos nos tornar mãos e pernas, auxiliando sempre aqueles que precisam.
Podemos não resolver o problema da fome no mundo, mas podemos muito bem providenciar para que quem esteja mais próximo de nós, não morra à minguá, providenciando-lhe o alimento ou o salário justo.
É muito importante aprender a gostar de tudo o que fizemos.
Podemos ser pobres, e sentirmo-nos sozinhos. Podemos morar em um local não muito agradável, mesmo assim, ainda poderemos colocar flores nos corações e alegrar-nos com a vida.
Tudo é suportável quando há amor, único sentimento que viverá para sempre.
O amor é a virtude por excelência, seja na Terra, seja noutras moradas do Senhor.
O equilíbrio do amor desfaz toda a discriminação, quando se trata de efetuar a marcha para Deus.
Exercitando o amor conjugal, filial, paternal ou fraternal busquemos refletir  mesmo que seja à distância, o amor do nosso Pai, que a todos busca pelos caminhos da evolução.
Vivamos e amemos, de forma equilibrada, sentindo as excelsas vibrações que vertem de Deus sobre as necessidades do mundo.
Autor:
Fonte: A Roda da Vida de Elisabeth Kübler-Ross, ed. Sextante, 1998, cap. 40 e Vereda Familiar, ed. Fráter Livros Espíritas, cap. 2

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Nem tudo é maravilhoso ,na cidade maravilhosa


Linha do Trem da cidade do Rio de Janeiro
O blog Histórias das Ruas foi até a cidade do Rio de janeiro. Cidade conhecida internacionalmente como “cidade maravilhosa”.
Desigualdade e pobreza são normais de se ver em qualquer lugar do mundo, tanto nas grandes como nas pequenas cidades, porém, a cidade “maravilhosa” esconde muito mais do que isso. Não precisei sair da zona de conforto, zona Sul, local onde abriga as lindas praias de Copacabana e Leblon, para me deparar com moradores de rua e prostituição. Prostituição essa, que se torna um turismo para os estrangeiros que visitam o Brasil. Algo que me chamou muito a atenção também foi que nessas próprias praias, tirando seus olhos  do lindo mar que as banha e mudando um pouco a direção do olhar já é possível se avistar favelas e comunidades que tomam conta dos morros, que até então eram para ser preservados. Saindo dessa zona de conforto, do luxo e boas aparências, não muito longe dali (para ser mais exato, 20 minutos) já consegui ver a miséria se destacando no meio de todos os prédios e casas. A sujeira que muitas vezes está sob nossos pés se mistura com uma desorganização totalmente perceptível.
Levando em consideração que a zona Sul representa apenas 10% de toda a cidade do Rio de Janeiro, fui atrás de conhecer os outros lugares da cidade, e o que vi e presenciei não foi nada bom.
Pela viagem de trem que realizei, ao olhar pela janela, em uma diferença de cinco minutos eu conseguia avistar uma favela, casas bem destruída com condições precárias de moradia. Favelas essas que não acabavam e que tomavam contam de toda a paisagem que era para ser proporcionada. Pelo caminho dos trilhos, passei também embaixo de uma ponte onde pude avistar usuários de drogas morando lá. 

Entrada dos prédios abandonados onde as famílias vivem.
Chegando a Campo Grande, zona Oeste do Rio, fui ao encontro de uma comunidade que vive em prédios abandonados no meio de muito lixo. Um prédio antigo que os próprios moradores disseram que tem a possibilidade de cair a qualquer momento. Ao chegar nesses prédios de aparência realmente assustadora, a comunidade estava reunida, todos sentados em roda e ouvindo as palavras de uma pastora. Nesse momento, sentei e esperei o fim do culto que eles estavam participando. Nessa espera, um membro dessa igreja veio falar comigo e em vários minutos de explicação do que eles estavam fazendo lá, ele sempre destacando que o seu maior medo era que aquelas crianças, um dia, se tornassem ladrões e que o roubassem. Superficial ou não, continuei esperando para poder conversa com os moradores. Vi algo que me entristeceu muito, fotos e mais fotos sendo tiradas para divulgar o trabalho daquela igreja, como uma forma de mostrar “OLHA O QUE ESTAMOS FAZENDO PELOS MENOS FAVORECIDOS!” e não pelo simples prazer de ajudar aquelas pessoas.
Os moradores me receberam muito bem. Sentei no meio de todos eles, com diversas crianças e mães que queriam me contar como que era viver naquela situação. Quando ia começar a conversa fui interrompido pela pastora que em um tom muito arrogante perguntou qual era a minha formação acadêmica para estar lá fazendo perguntas para eles. Fiquei impressionado com tamanha autoridade que ela tentou utilizar diante de uma pessoa que ela nem se quer sabia o real motivo de estar ali. Deixando as situações adversas de lado, fui logo começando a conversar com várias pessoas.
Crianças da comunidade.
O prédio se encontra naquela situação a mais de 8 anos, e há 8 anos vivem pessoas lá.
Indiara, uma mulher que aparentava ter no máximo 35 anos me contou que antes de todos irem morar nesse prédio, eles viviam nas proximidades, mais precisamente na Favela do Barbante. Boa parte dessa favela teve que ser desabrigada, pois o seu terreno foi usado pela prefeitura para construir novos prédios. Ela conta que quando saíram de seus barracos  “A prefeitura nos disse que ia nos oferecer um auxílio, uma ajuda, e até hoje nada foi feito. Hoje vivemos aqui nesses prédio com mais de 100 crianças, algumas estudam e outras não. Dependemos de uma quantia mínima que é oferecida pela Bolsa Família e da ajuda de outras pessoas.”
Pude percebe que a quantidade de crianças que vivia lá era realmente muito grande. Elas brincavam em meio a muito lixo. Perguntei para as mães que estavam conversando comigo qual era o sentimento delas ao ver seus filhos vivendo naquela situação e a resposta foi a esperada, “Temos indignidade de ver essa situação toda acontecendo, vergonha de estar passando por isso, mas por necessidade moramos aqui. Acabamos nos acostumando com tudo isso, mas sem dúvida o nosso maior sonho é sair daqui e poder ter uma casa decente para morar.” Uma outra pergunta foi feita a todos e com risadas a resposta foi dada:
Como vocês fazem com as suas necessidades fisiológicas e banho?
- “(RISOS) Fazemos tudo em saquinho, não temos saneamento básico. O banho nós tomamos da agua que tem no rio. É suja, mas é o que temos.”
Menino de 14 anos que vive na comunidade e sonha em ser médico.
Chocado com aquela situação perguntei sobre a questão de violência dentro daquela comunidade para uma das mulheres que estava na roda e a resposta não foi nada positiva, “Hoje está bem sossegado. Alguns meses atrás tentaram estuprar minha sobrinha de 5 anos, a sorte foi que ela acordo e começou a gritar, mas mesmo assim ela foi agredida com socos na cara antes do cara fugir. Outro caso também foi do meu filho de 11 anos em uma situação que outro menino mais velho se aproveitou dele.” Antes mesmo de eu começar a perguntar mais, uma outra mulher me interrompeu e quis contar o seu caso, “Já fui abusada também dentro de minha própria casa. Era noite, já estava dormindo e acordei com um homem desconhecido em cima de mim com uma faca tentando abrir a minha calça. Depois de muita luta eu consegui acordar os meus vizinhos e ele foi pego. Hoje não durmo mais, troco a noite pelo dia, tenho medo de que ele volte para tentar me matar.” Contaram também que é normal carros pararem a noite onde as crianças ficam brincando para oferecer dinheiro a elas em troca de favores sexuais. Em desabafo uma mãe disse, “Pensam que só porque somos pobres e vivemos assim nós vamos nos vender por qualquer coisa.”
Depois de ouvir as mães, comecei conversar com as crianças e perguntei se eles sofriam muito preconceito por viver lá e um menino de 14 anos respondeu, “Sim, na escola sempre tiram sarro da minha cara falando que vivo em um barraco, me chamam de pretinho. Fico triste.” O mesmo menino também disse que o seu sonho era ser médico. 

Quarto de uma das famílias. Sujeira e condições
ruins para se viver.
Outras crianças tinham sonhos como, ser bombeiro e professores. Sonhos estes que nem sempre vão se realizar, não por falta de vontade e sim por falta de oportunidade.
Depois de conversar com eles, pedi para conhecer dentro de onde eles moravam. O que vi foi realmente chocante. Muita umidade, paredes caindo aos pedaços, móveis velhos e um cheiro muito forte. Animais dividem espaço com eles.
Percebi em toda a nossa conversa que em todas as situações que eles me contavam, ao mesmo tempo eles riam de tudo isso, riam de um jeito louco. Rindo como uma forma de desespero. Uma das mulheres disse que é só rindo para não chorar, só que talvez o riso de todos seja um choro desfaçado. 
Pessoas vivendo em situações de risco, crianças brincando em meio ao lixo onde existem muitas doenças  e tudo isso sendo encarado como “normalidade”, onde tudo, na verdade era para ser encarado como um extremo absurdo.
Milhões de reais sendo gastos em obras para a copa do mundo, quando milhões de pessoas precisam sair da pobreza que toma conta da maior parte da cidade.
Fui embora com a certeza de que a cidade maravilhosa não é tão maravilhosa assim para quem vive o verdadeiro Rio de Janeiro.

Ainda temos a ida para o Lixão, que traz relatos e histórias bem mais chocantes... Aguardem! 

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

O BEM EO MAL




"O Bem e o Mal não existem em si mesmos,
cada um deles é somente a ausência do outro."
José Saramago
(O Evangelho Segundo Jesus Cristo)


O Bem e o Mal não existem em si mesmos,
bem como a sapiência e a estupidez,
o conhecimento e a ignorância,
a sensatez e a sandice,
o comedimento e o exagero,
o silêncio e o barulho
ou qualquer antônimo de substantivo nefasto ou não
do qual cultuamos prazerosamente
mesmo conhecendo as benéficas ou males
que ele pode nos causar.

teste você e maledicente..faça o teste


                   o bem eo mal....

FAÇA SEU PRÓPRIO TESTE; VOCÊ É MALEDICENTE.

A. Responda honestamente, meditando sobre cada pergunta sem se preocupar com o tempo. Deixe para ver o resultado somente depois de responder e faça uma avaliação de si mesmo. Coloque um X no local adequado à sua maneira de ser, sentir e agir.
1. Ao surgir, numa conversa, comentários sobre um deslize de alguém. Qual sua atitude?
a. faz perguntas.         (   )     b. ouve apenas ( x   )     c. corta a conversa.   (   )

2. Ao saber de uma infidelidade de parente ou pessoa amiga, apressa-se em levar a noticia adiante?
a. comenta com outros       (   x )      b. pensa em falar, mas silencia          (    )    c. pondera e cala   (   )

3. Acha divertido e participa animadamente das “fofocas” entre amigos?
a. participa, contribuindo.   (   )    b. apenas ouve e rir    (     )    c. evita as fofocas    (   x )

4. Escandaliza-se ao saber de ocorrência escabrosas envolvendo pessoas conhecidas?
a. arregala os olhos e exclama. (   )       b. comenta com outros.   (   )     c. não se envolve e silencia.     (  x )

5. Sente-se atraído(a) pelas conversas ou notícias sobre desastres e crimes passionais?
a. busca avidamente.  (    )      b. apenas ouve e lê    (    )        c. evita ouvir e ler.       ( x   )

6. Comenta com outros os defeitos de alguém por quem sente qualquer antipatia?
a. acentua os defeitos. (x   )        b. não chega a comentar (     )     c. evita ver os defeitos. (     )

7. Sente, às vezes, incontrolável impulso e deixa transparecer a outros um assunto reservado, confiado por pessoa de sua intimidade?
a. não resiste e fala. (    )         b. apenas sente vontade de falar ( x    )    c. não sente vontade nem fala. (   )

8. Dá ouvidos a conversas sobre problemas causados por companheiros, no âmbito do centro espírita em que colabora?
a. comenta e dá ouvidos.(   )         b. ouve e silencia. (      )     c. pondera com tolerância. (  x   )

9. Alguém lhe diz: “Não gosto de fulano “, “Beltrano é mal encarado e presunçoso “.  Tendo oportunidade, você conta à pessoa em questão o que ouviu?
a.não resiste e transmite o que soube    (    )          b.apenas sente vontade e nada transmite   (    ) 
c.esquece e nada sente. (    x )

10. Usa, por vezes; expressões do tipo: “Aquele cara é um chato”, “Veja o que beltrano me fez”, “Fulano só quer ser o bom”, etc.?
a. não resiste e comenta a sua opinião. (   )    b. tem sua opinião, mas não comenta ( x  )
c. procura ver o lado bom da pessoa. (    )


RESULTADOS

Conte os pontos, atribuindo às suas respostas os seguintes valores:

- respostas a) valem 0
- respostas b) valem 5
- respostas c) valem 10

Avaliação dos pontos obtidos:

100 pontos: excelente resultado! Afinal você conseguiu, desse defeito você está livre!
De 99 a 90 pontos: muito bom! Falta apenas um pequeno esforço para completar sua reforma neste aspecto. 
De 70 a 89 pontos: bom, mais deve se cuidar. Meio caminho foi alcançado; prossiga, você está próximo de libertar-se desse defeito.
De 40 a 69 pontos: regular, lute. Você está conseguindo melhorar, mas ainda precisa completar sua condição de Aprendiz do Evangelho.
De 0 a 39 pontos: sem comentários. Cuidado, a maledicência precisa ser combatida com todas as suas força

segunda-feira, 7 de janeiro de 2013




EU SOU O CAMINHO A VERDADE EA  VIDA.

                                    A MORTE É O FIM...????

VOCÊ QUE ACREDITA NISSO ...A REENCARNAÇÃO E A UNICA EXPLICAÇÃO  PORQUE DEUS PERMITE  , QUE ATE HOJE CONTINUA NASCENDO NOVOS SERZINHOS NESTE PLANETA . PORQUE CASO CONTRARIO  NOS ESTAMOS DUVIDANDO DA EXISTÊNCIA DE DEUS E DE SUA INTELIGENCIA.PORQUE VOCÊ CONHECE ALGUM FABRICANTE QUE MESMO QUE O PRODUTO DE ERRADO, SÓ DOR DE CABEÇA E ABORRECIMENTO CONTINUA A FABRICAR....ENTÃO O PAI TODO PODEROSO NÃO IA CONTINUAR PERMITINDO QUE O HOMEM NASÇA SÓ PRA FAZER VOLUME NA TERRA E UM MONTE DE COISAS ERRADAS,E  PARA DAR VOCÊ DE GRAÇA PRO INIMIGO...PORQUE SE O INFERNO EXISTE  TA TODO MUNDO LASCADO , VOCÊ CONHECE ALGUÉM IGUAL A JESUS. 
NÃO ENTÃO VAMOS TODOS PRO INFERNO. 
E PRECISO ACORDAR E SE REFORMAR ,MATAR O HOMEM VELHO CHEIO DE DEFEITOS DESDE OS ANTEPASSADOS , PRA QUE NASÇA UM NOVO HOMEM, DEUS NOS DA ESSA OPORTUNIDADE DE REENCARNAÇÃO EM REENCARNAÇÃO...POR ISSO APROVEITE 2013 PRA LER OBTER CONHECIMENTOS BUSCAR NOS EVANGELHOS A RECEITA QUE O MESTRE DEIXOU, BASTA DEIXAR OS VÍCIOS DE LADO AMAR O PRÓXIMO COMO A TI MESMO ,E A DEUS SOBRE TODAS AS COISAS..
PARECE FÁCIL ,MAIS NÃO É ..MAIS E POSSÍVEL SE- NOS ESFORÇARMOS UM POUCO MAIS VAMOS CONSEGUINDO AOS POUCOS  ,E UMA LUTA DIÁRIA COM VOCÊ MESMO, E LEMBRE-SE VOCÊ PODE CONTAR COM ELE ""NOSSO PAI", SE LIGANDO ATRAVÉS
 DA PRECE E DA CARIDADE.. PORQUE HOJE VOCÊ JÁ É BEM MELHOR DO QUE JÁ FOI UM DIA  ACREDITE.. BOA SORTE E QUE DEUS TE ILUMINE DURANTE TODO ANO DE 2013 COM MUITA PAZ SAUDÊ E AMOR.. QUE E O PRINCIPAL SE TEMOS AMOR TEMOS PAZ ,SAUDE .. SE DAMOS  AMOR RECEBEMOS TAMBÉM.. 
ABRAÇOS MARY...